Criança escondida

Sinais escondidos de eventual patologia nas crianças

A visão saudável e plena é necessariamente adquirida ao longo da infância, sustentada em condições anatómicas e fisiológicas normais durante o crescimento da criança. Como tal é fundamental o rastreio em consulta por forma a detectar algumas patologias mais ou menos prevalentes — ler mais em oftalmologia — cujo não tratamento interferirá neste equilíbrio de aquisição da função visual.

Muitas vezes, os próprios pais ou outros familiares e conviventes se apercebem de sinais ou sintomas que traduzem, com poucas dúvidas, que a criança tem uma patologia que carece de acompanhamento e tratamento. São disso exemplo o estrabismo, o aproximar-se demasiado dos alvos de leitura ou interesse (sejam eles de perto ou de longe) ou a própria criança alertar para uma diminuição de acuidade visual. No entanto, existem alguns sinais menos óbvios que, podendo corresponder a dificuldades de visão, são por vezes desvalorizados ou mal interpretados.

 

1. Incapacidade de manter a atenção.
O seu filho pode parecer perder rapidamente o interesse em jogos e brinquedos, projetos ou atividades que exijam o uso mais ou menos prolongado dos olhos.

2. Timidez e pouco destemido no meio envolvente – “é demasiado sossegado!”.
O acto de explorar um cenário ou brincadeira nova implica uma confiança da criança nas suas capacidades motoras e sensoriais, estando estas intimamente interligadas. Quer isto dizer que uma baixa importante da acuidade visual secundária por exemplo a um erro refractivo significativo limita a avaliação de distâncias, limites dos cenários e consequentemente a maneira como a criança se auto-avalia como capaz de se envolver em determinada tarefa ou brincadeira. Em fases mais avançadas poderá limitar a própria aquisição de faculdades.

3. Dificuldade a rastrear o texto na leitura
Na leitura de uma linha, parágrafo ou texto o seu filho pode “perder-se” facilmente na frase, com dificuldade em manter uma leitura fluída. Algo que é distinto dos distúrbios de aprendizagem como os atrasos psicomotores associados a diversas patologias orgânicas ou mesmo da dislexia.

4. Evicção da leitura e outras atividades de perto
Desde formas subtis a outras mais óbvias, a criança pode demonstrar rejeição por actividades como a leitura, desenhar, jogar ou realizar outros projectos que exijam focar para perto.

5. Posição anómala da cabeça – Virar de lado ou “torta”.
Uma criança pode virar a cabeça para o lado quando olha para algo à sua frente; o que pode ser um sinal de baixa de acuidade visual assimétrica, por exemplo secundária erro de refração, ou por apresentar formas especiais de estrabismo. Nestes casos a posição viciosa da cabeça ajuda a criança a ver melhor.

Quanto mais pequenas, mais difícil é de perceber pequenos sinais. Não dramatizando situações pontuais, é nossa missão enquanto pais o valorizar de algumas alterações que mantidas no tempo possam carecer de avaliação médica. Voltando ao início … O rastreio mantém-se como essencial!

 

Fontes: Academia Americana de Oftalmologia – https://www.aao.org/eye-health/tips-prevention-list

Artigos relacionadas

Comentários

Seu endereço de e-mail não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados *

Publicar comentário